domingo, 18 de dezembro de 2011

Caro eu mesmo,

Estou em desespero. Não consigo prever o que pode acontecer! Quais as minhas probabilidades? O que é isso? Conseguirei eu pegá-las sendo eu mesmo? consigo sobreviver nesse reino de fantasias? Por que meu peito dói e o coração despara? é um peso muito forte!!!

Minha dúvida gira em torno do medo. Medo do que está logo ali. Medo de tudo. Medo da mulher. Sinto muito medo. Estou tremendo na base. Estou tão infurnado em meu sentimento que não faço ideia do que esteja rolando ali em baixo. Sinto dor no peito e em tudo. Sinto-me dolorido. Q coisa.... terrível. Estou cagando nas calças. Que sentimento....

Não posso me infurnar aqui.

Vou preferir mentir para mim mesmo e acovardar-me diante da verdade? Eu procuro realidade? Decidi temer a realidade?

O que dói mais em mim é o fato de temê-los ou o fato de envolver-me com eles?

Eu acho que eu temo o fato de envolver-me com eles e depois ter que me separar. O fato de não gostarem de mim é muito forte.

quinta-feira, 1 de dezembro de 2011

Vida, minha vida.

A vida é complexa. A ansiedade me assola surgindo do nada. Como pode haver tantas fantasias na mente humana?

Como detoná-las de maneira produtiva? A primeira sensação que me vem é de frustração e incapacidade! Por quê?!

É algo automático e fantasioso também. É a reação fantasiosa de uma ação também fantasiosa.

Se somos um círculo de força pensativa e tendo isso como posse do pensamento imediato, é possível perceber a irrealidade presente neste aro ou anel deste círculo.

Não preciso atolar minha cara no chão. Não quero evitar as coisas. Não vou fazer isso de novo em minha vida. Essa é minha história. Por que evitar?

Você tem medo de quê? Do que tenho medo?

Não posso evitar o futuro! Não posso evitar o tempo, não posso pará-lo. As vezes sonho com uma estagnação mental. O que é péssimo!

Por que evitar o futuro? Não dou segmento a nenhuma relação. Na iminência de ser boicotado, decido boicotar. Qualquer relação tem esse fato como motivo.

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Retribuição ao wikipédia

Minha história está em formação. Não vivi o suficiente para garantir um desfecho considerado "legalzinho" para minha vida. E nem quero tê-lo. Vou morrer sem ter um fim ao estilo cinematográfico. Vou morrer e pronto.

Não quero fazer da minha vida um filme com uma história cheia de contos e acontecimentos fabulosos.

O mais difícil é não nos gabarmos, sermos humildes e entender que não somos o centro do mundo.

Existe uma série de pessoas convivendo nesse mundo conosco e ficamos tão enfurnados em nossos acontecimentos que esbarramos nelas machucando-as e à nós mesmos com apenas um resultado: ambos saírem frustrados.

Por quê ser sensacional, formidável e estupendo? Por quê não ser simples? Como é difícil isso.

Nesse parágrafo, decidi reler o que havia escrito até então. Meu texto gira em torno de "mim" e "eu mesmo". Explico à mim mesmo que não devo me gabar, ser egoísta e arrogante.

Para mim é muito difícil abrir-me com os outros. Sinto que tenho uma porta lacrada para o mundo. Sinto-me morto e sem vida por causa disso.

O wikipédia é o contrário. É aberto para o mundo inteiro. Ele pode ser acessado por homens "lacrados" como eu e consegue nos passar muita informação. Sem pedir nada em troca.

Meu pequeno gesto para o wikipédia representa um agradecimento à essa ajuda que me é dada sempre que acesso este site.

Obrigado.

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

liberdade, sabedoria e conhecimento!

Que agonia. O cara fica sentindo vários sentimentos e parece que não pode falar, esbravejar e colocar pra fora toda essa monstruosidade de sentimentos!

Tudo parecia ou parece tão tolo. Como eu gostaria de ser honesto com meus sentimentos. Reconhecer que eu não sou tudo aquilo que pensava; Encarar isso numa boa sem devaneios e rodeios. Frustrado eu fiquei. Preciso ir em frente. Não posso parar.

No dia em que decidi ser eu mesmo, acabei tendo leves discussões com pessoas às quais trabalho. Será que é possível sermos nós mesmos? Sinto-me aprisionado em um avatar. Não consigo ser eu mesmo, ao mesmo tempo tenho medo de sê-lo. Sinto raiva, ódio, tédio. Não sei como sentir PAZ. Quero sossego, mas para isso não posso nem quero me ausentar do mundo deixando de vivê-lo.

Como explicar esse meu sentimento? Como resolver algo que nem mesmo sei descrever? Algo que parece que não é visto pela humanidade. Algo o qual parece normal para alguns, mas está bem ali. Todos passam e vêem mas preferem não se preocupar pois os outros também não se preocupam.

Quero reconhecimento. Mas não quero ser tolo e vão. Quero sabedoria e mostrar que sei. Porém, não quero ser visto como arrogante e sofrer inveja daqueles que poderiam estar aprendendo comingo. Quero crescer. Quero respostas. Não aguento mais fingir que está tudo bem. Insisto em ser compreensivo, mas parece que assim fico invisível, pois acabo sendo atropelado por culpa de minha sensibilidade. Preciso ser troglodita?

Quero ser livre. Mas quero liberdade com responsabilidade, dignidade e respeito à qualquer um, a qualquer ser. Seja homem, mulher, cachorro, inseto. Quero paz. Quero dizer o que penso. Sofro demais evitando o que dizer. São muitas coisas às quais penso e guardo para mim mesmo ficar remoendo. Não posso me ausentar. Quero liberdade.

Como ser eu? Quem sou eu realmente? Como saberei se estou sendo verdadeiro comigo ou apenas um enrolador? Por que minto para mim e me cobro por não ter dito a verdade? Cobro de mim porque aprendi a ser exigente comigo mesmo? Não preciso ficar devendo para mim. Quero ser verdadeiro comigo e não me sentir sempre em débito. Tenho raiva da minha falta de tranquilidade. Sempre me cobrando mais e mais. Qual o limite da cobrança? Se deixar de me cobrar serei vagabundo? Quanta raiva!

Quero liberdade, sabedoria e conhecimento! Quero ser livre e não depender de "sims" e "nãos". Quero viver e me sentir bem com o que faço. Quero a resposta certa e tudo bem que eu me foda todo para achá-la. Mas sim, com certeza absoluta eu a quero.

segunda-feira, 31 de outubro de 2011

Reflexão noturna

A baixa auto-estima está relacionda ao método de criação perpetrado pela mãe.
Se esta exagera na proteção ao filho, agindo de maneira incosciente a mantê-lo próximo, estará provocando nele uma atrofia em seu desenvolvimento. Visto que é ela a responsável pelo seu primeiro contato com o mundo (?).
Acredito que o desenvolvimento de uma oscilação no ego deste indíviduo seja proveniente deste tratamento.

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Pai

Assistindo à uma entrevista do Antônio Abujamra em provocações, deparo-me com a seguinte homenagem a Mário Chamie:

Abujamra - Mário, você considera que ser pai é dominar a arte de ser desnecessário?

Chamie - Mais do que desnecessário; descartável o quanto antes; não atrapalhar o destino dos filhos; os filhos devem ser independentes e autônomos; os pais devem oferecer os elementos básicos para uma vida digna e uma vida que mereça ser vivida. Fora daí, os pais tem que sair do cenário; pai é sinônimo de descartável; todo pai é autenticado no dia do nascimento do filho como um jurássico, um pré-histórico, ele tem que criar o seu destino em busca não mais da terceira idade, mas da idade digna das homenagens que é na idade em que eu me encontro.

http://www.tvcultura.com.br/provocacoes/programas/1585

sábado, 1 de outubro de 2011

Father Forgets

Um texto de W. Livingston Larned

"Falo-te enquanto dormes, a mãozinha encolhida debaixo do rosto e o cacho louro úmido, caído sobre sua testa. Penetrei no teu quarto às escondidas e inteiramente só. Há poucos minutos, quando, no meu gabinete, lia o jornal, uma onda de remorso tomou conta de mim. Reconhecendo-me culpado, vim para o teu lado.

Vou dizer-te, filho querido, sobre o que estive pensando: tenho sido exigente demais contigo. Repreendo-te, quando te estás vestindo para a escola, porque passaste no rostinho apenas uma toalha úmida. Censuro-te porque os teus sapatinhos não estão limpos. Chamo tua atenção, com aspereza, quando jogas alguma coisa tua pelo chão.

No café encontro faltas ainda. Desperdiças as coisas. Comes apressadamente. Pões os teus cotovelinhos na mesa. Passa manteiga demais no pão. Passo todo o tempo a ralhar contigo, meu filhinho. E quando saes para brincar e eu vou para tomar meu trem, levantas a mãozinha, acenas um gesto de amizade e dizes: 'Até logo, papai'!, e eu, na eterna ânsia de repreender-te, franzo a testa e digo-te: 'Endireita os ombros!'

E quando regresso à tardinha recomeço a minhas exigências. Quando subo a estrada venho espiando-te. Vejo-te, de joelhos, jogando gude com os teus amiguinhos. Descubro buracos nas tuas meias. Diante dos teus companheiros, humilhei-te dando-te ordens para seguir à minha frente para casa. As meias custam muito dinheiro. Se tivesses que pagar por elas saberias ser mais cuidadoso! Imagina só, filhinho adorado, tudo isto dito de um pai para um filho!

Lembras-te de mais tarde, quando eu estava no gabinete lendo, como vieste, timidamente, com uma espécie de mágoa brilhando nos teus olhinhos? Quando olhei para o jornal, aborrecido com a interrupção, hesitaste na porta. "Que queres?", disse eu intempestivamente.

Não disseste uma palavra sequer, mas correste para mim, passaste os braços no meu pescoço, beijaste-me, e os teus bracinhos apertaram-me com um afeto que Deus colocou fluorescente no teu coraçãozinho e que mesmo com toda a minha negligência não pode fenecer. E, então, foste aos pulos, escada acima.

Bem, meu filho, pouco depois disto o jornal caiu das minhas mãos e um receio doentio invadiu-me inteiramente. Que vantagens para mim vinha ensejando o meu modo de tratar-te? Descobrir tuas faltas, repreender-te pelas mínimas coisas - era a minha recompensa para ti, meu filho, por seres uma criança. Não era porque eu não te amasse; era porque eu queria exigir demais da tua infância. Eu te estava medindo com as jardas dos meus próprios janeiros.

E no teu caráter há tanto de bom, de fino de verdadeiro! O teu coraçãozinho é tão grande como a própria aurora quando desponta sobre as grandes montanhas. Melhor demonstração de tudo isto não podias dar do que, apesar de tudo e depois de tudo, correndo para mim e beijando-me carinhosamente ao dizer-me boa noite. Filho, nada mais importa hoje à noite. Vim para o teu lado, no escuro, ajoelhei-me envergonhado!

Esta é uma fraca reparação; sei que não entenderias estas coisas se eu as dissesse quando estivesses acordado. Mas, filho adorado, amanhã eu serei um verdadeiro papai! Serei um companheiro teu, sofrerei quando sofreres, rirei quando rires. Morderei minha língua quando vierem palavras impacientes. Conservar-me-ei repetindo como se fosse um ritual: 'O meu filhinho nada mais é que uma criança - uma pequena criança!'

Estou receoso de te haver encarado como um homem. Entretanto, quando te vejo agora, filho querido, todo encolhido, e despreocupado na tua caminha, vejo que ainda és uma criança. Ontem estavas nos braços de tua mamãe, a cabecinha recostada no seu ombro.

Eu estava exigindo demasiado de ti. Muito. Muito."

sábado, 27 de agosto de 2011

Carta à um primo

Salve Léo,

Não acredito que Deus seja culpado. Deus é deus e acredita nele quem quiser.

Eu diria que o problema não está em Deus, mas sim nas pessoas que acreditam ter o dom de profetisar o que Ele diz.

O problema estaria também na padronização de como cultuar Deus. Ao aceitar Deus e pelos primeiros momentos tudo está bem, porém depois a pessoa percebe estar abdicando das coisas que fazia em prol de Deus.

Passa a viver sob o regulamento da Bíblia que foi escrita há 2.000 anos para os costumes das pessoas da época.


É algo muito complicado discutir religião. Como eu acho que futebol e política também o são. Cada um acredita naquilo e é muito difícil que se mude. Aliás, em discussões deste tipo já me exauri inúmeras vezes a ponto de ficar sem saliva para chegar a um conclusão, em vão.

Mas sempre há um pequeno vento de alento que nos aborda de maneira sorrateira nos inspirando novamente.

Para mim Deus não existe. O que existe é a grande necessidade das pessoas de se apegar a algo e zelar por aquilo. Por que Deus não aparece?

Por que Deus fala com todo mundo, de maneira padronizada, mas ninguém mais ouve? As coisas que ele fala para mim são iguaizinhas para você.

Por que ele não resolve o problema de cada um enumerando os passos a serem solucionados?

Por que existem partes da Bíblia que foram retiradas na sua elaboração há 2.000 anos atrás?

Por que o poder católico está na Europa se Jesus era Hebreu?

Por que houve a criação de diferentes igrejas se deus criou uma só para Jesus regular?

Se Deus é considerado culpado agora, ele foi sua existência inteira! Violência, mortes e tudo de ruim sempre existiu. As mortes em nome Dele dominaram a história huamana. Se Deus é culpado, ele já o é desde que matou Jesus!

Tudo bem, Jesus morreu a mando de seu pai para que as pessoas percebessem quão importante é o amor. Claro, eu concordo. Mas penso que não preciso depender de Jesus para amar. Se era esse seu ensinamento, eu o aprendi.

As pessoas amam, mas também matam por amor. Jesus morreu por amor. Ele amava a todos e morreu para salvá-las. Se for assim, então...

Por que as pessoas não ressuscitam?

Por que ele insiste em permitir essa bagunça a qual vivemos?

Por que não intermediar essa briga fraterna se ele é um pai bondoso e fiel?

Onde está sua fidelidade para com o povo?

Os países muçulmanos também tem um Deus. E olha a situação a qual eles se encontram! Muitos deles estão sofrendo guerra civis.

Países Africanos. Muitos deles passaram por guerras civis no século 20 e alguns ainda insistem no mesmo erro, mas Deus mesmo que Africano não apareceu.

E não me venha com essa de paraíso ou inferno com um julgamento pós morte, que essa não desce. "Abdicar de todos os prazeres para tê-los depois da morte". Eu diria isso para um ladrão se tivesse com o bolso cheio de dinheiro. Duvido que ele me assaltaria. Acho que assaltaria porque ele não acredita em Deus.

Não adianta ele rezar para Deus sendo que não tem o que comer.

Ele reza e não tem dinheiro;

Ele reza e sua vida não melhora;

Ele reza e sofre de saúde;

Ele reza e descobre que tem pneumunia, dengue, malária ou otite;

Ele continua rezando mas a doença não cessa;

Ele reza em dobro porque agora ele tem que ganhar dinheiro e reza para a doença sarar;

Enquanto ele reza o padre diz que está rezando por ele;

Enquanto ele reza o padre come pão com carne e vinho na ceia pós missa;

Enquanto ele reza o padre brinca com a mulher do "doente" no confessionário;

Enquanto ele reza o padre, na ausência da mulher, brinca com o filho do "doente" nas aulas de catequese;

Se Deus é culpado eu não sei, mas tem alguma coisa muito errada nessa história toda, não tem?!

segunda-feira, 21 de fevereiro de 2011

Sound Of Silence

O silêncio.





Qual o momento em que ele é melhor empregado?





Acho que nas respostas mais compremetedoras. Quem não escapa de uma enrascada mantendo o silêncio?





Respeito ao próximo. Quando se quer expressar admiração à alguém e não há palavra que caiba na situação, o olhar fala por mímica mantendo-se o silêncio. Arrebata mais que qualquer elogio. Os olhos falam.





Talvez devessemos falar menos e olhar mais. Se fosse possível a todos pararem o que fazem e admirarem o que têm em volta, o mundo seria mais silencioso. Mais tranquilo. E aí talvez, quem sabe, poderia-se ouvir o próximo.





video

terça-feira, 1 de fevereiro de 2011

Que vida mais foda!

Qual a salvação para a humanidade? Os homens desde os primórdios competem entre si de uma maneira nada ética.

Aliás, quem criou a ética? É nada mais nada menos que uma maneira astuta de controlar toda uma sociedade. A nossa sociedade é controlada por quem? Quem é aquele que detém o poder?

Com certeza existe alguém por trás de tudo isso! Quem controla a economia, o processo, as guerras? Quem é aquele que nos manipula e decide quem vai comer o quê e ter autoridade subordinado aos seus comandos?

Já foi da Igreja. Hoje, a Igreja luta para ter alguma autoridade. Caiu na hierarquia do poder mundial. Interessante que foi um processo lento. Seu declínio teve início com a inquisição. Quem ou qual instituição em sã consciência vai descer a lenha ou descer à lenha (em chamas), hehehe, (em) uma população obediente. Só há motivos para isso quando o controle começa a escapar às mãos.

Cansado. To cansado de tudo isso. Cansado de tanta bagunça e parafernalia! Nunca tivemos tanta informação, nunca fomos tantos, nunca consumimos tanto e no que deu? Que diferença faz se eu malho pra caralho pra ficar fortão e sarado, sendo que minha mente continua a mesma bosta?

Que diferença faz um cidadão ganhar um puta diploma de uma puta instituição se continua sendo a mesma pessoa. Curioso que todos passam a tratar esse cidadão de maneira diferente! "AHhhh, agora ele é fudidão! ele tem diploma tal" coxixam. Que merda tudo isso!

Somos o que somos e não o que sentimos. Só a vivência para formar pessoas de verdade. A vivência com a realidade.

Por que vivemos um mundo cheio de mentiras e piadinhas sem graça? Tudo é tão engraçado e lindo! Aonde? Cadê a graça? Por que não consigo rir também??? Por que é tão difícil rir também???

É muita decepção, desilusão. A mentira engana seu ouvinte, mas também ao seu dono. Quem usa a mentira como fuga para no tempo. Aquilo passa a tomar conta da sua vida, da sua realidade. Daqui a pouco passa a virar verdade irreal e esse sujeito já está fora do fluxo da vida.

A vida de um indivíduo é algo que flui durante um determinado tempo . Ele age de maneira a se perpetuar no tempo. Come, respira, corre, dança, canta, transa, peida, fuma, ri. Com isso, a cada dia que passa ele se recicla. Amanhã ele fará tudo o que fez ontem, só que melhor. Essa é a condição humana e da natureza como um todo. É a melhora que nos perpetua no tempo. Quanto melhor ficarmos, mais tempo ficaremos vivos, nos tornando melhores para garantir a continuidade do futuro herdeiro.

Que grande merda! Não passamos de marionetes para sentir um pouco de vida e logo passar o cajado pra outro, porque chegou nossa hora. A vida é foda mesmo!

A mentira não se enqaudra aí. Existe algo mais egoísta que a mentira? Que direito uma pessoa tem de roubar a verdade de alguém? Deprimente quando se usa a mentira para lucro próprio, prejudicando outro só para sair "melhor"! Que babaca, filho de uma puta!

segunda-feira, 17 de janeiro de 2011

Sisu

SISU

Uma palavra originada do finlândes incorporada pela língua inglesa. Advinha o que significa?

Estive tentando durante 2 dias acessar o site do MEC, responsável pelo ENEM(examen nacional do ensino médio) para efetuar minha inscrição em um universidade federal.

Inevitavelmente, poderia haver alguma dificuldade em meu acesso, visto que nos outros anos de existência, o site apresentou dificuldades para os alunos. Afinal, do que preciso?

"Perseverança, força de vontade e determinação" é o significado do conceito da palavra oriunda da Terra do gelo.

Curioso não?

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Auto-Análise

Que frustração é exatamente essa? Sinto-me frustrado por não me compreenderem. Tantas tentativas e nada.

Mas por que a necessidade de me entender? Talvez assim tivesse apoio!

Ou será por que você quer que eles te acompanhem na sua vida?

Como assim?

Compreendendo você, existem duas possibilidades de seus pais agirem. A primeira seria a que eles te dariam alguns conselhos quando você precisasse. A segunda seria que na ânsia de que eles te entendessem você espera que eles tomem uma atitude, resolvam seu problema! Isso explica a sua espera para que algo aconteça.

Mas eu já estou nessa espera a muito tempo!

Pois é, então está na hora de agir. Você acha que eles vão se intrometer e influenciar para que fique em casa.

Sim, isso explica a reforma e os presentes que me foram dados.

Na verdade, eles estão fazendo o que sempre fizeram.

Como assim?

Na ausência de uma ação próxima do filho, como realmente se divertirem juntos, eles te dão presentes como maneira de substituir o que acham que não podem lhe dar.

Mas por que sempre fizeram isso?

Segundo dados, eles não conseguiram fazer isso antes, pois trabalhavam muito. E quando quiseram finalmente se aproximar, você já não os queria por perto.

Então eles querem ou não que eu fique debaixo da asa deles?

Querem mas ao mesmo tempo não. Eles querem que você fique próximo, não se distancie. São seus pais e amam o filho que tem. Mas também não sabem como lhe dar com isso. Nisso você tem razão. Por nunca terem passado por isso com os pais deles, ficam perdidos na maneira de se relacionar com você.

E eu o que faço?

Faça o que quiser. A vida é sua.